quinta-feira, janeiro 20, 2005

O Silêncio

(Minha poesia é surda,
mas ouve muito bem o silêncio)

O Silêncio:

- Minha poesia é barata
destas que roem bagas
destas que recitam violência
minha poesia é cara
destas que são souvenir raro
destas que ressuscitam santidades
minha poesia...
é perfume dantesco
é escarro bizarro
é pérolas à porcos
é porcos emperolados
minha poesia é um cara como eu:
assim sem palavras
assim sem nexo
assim... assim...
assim sem você.


Lee Flôres Pires

Um comentário:

mabem disse...

hmmm....

casa nova heim?!