terça-feira, abril 26, 2005

Pedraços

"Quase só dela parto
dizia e tonto
se a boca dentro pedras chamadas
Aurora
desarvorada e rosa rompe.

Resto
Meu coração feito em pedraços."


Se a boca cala a fome dos seus olhos,
quero abri-lá até a cegueira dos olhos deles.
Se o teu cabelo devora o meu verso,
quero suar o suor ateu.
Do nosso dezembro feliz,
dos nossos encontros quase que ardis.

Calar a boca que grita o teu sexo,
pedir pra sumir,
é afronta sem nexo.

Te vê e me fortalecer,
é o tiro certo.
Sucumbir diante de mal amados
é ventre pulsando incesto.

Minha boca não cala,
antes da sua boca cala-lá.
Minha boca não cala,
na ausência da sua.

Na ausência da tua virtude nua
grita meu ego histérico.


Lee Flôres Pires

Nenhum comentário: