quarta-feira, agosto 24, 2005

Quando for manhã...

Quando eu acordar amanhã
não lembrarei dessa janela,
desse copo de vinho.
Quando eu acordar amanhã
não lembrarei dos olhos dessa mulher,
que me guarda a sua nudez
e a tantos outros por quinze minutos,
deitada ali na cama;
nem tampouco lembrarei
a quantas andam tuas vitrines,
teus holofotes mainstream.
Quando eu acordar amanhã
não lembrarei da minha vida
escorrendo entre os dedos.
Meu verbo não será mais carne,
quando eu acordar amanhã
no tempo que aqui jazia!


Lee Flôres Pires

Nenhum comentário: