terça-feira, dezembro 20, 2005

Qual veracidade há ao ver a cidade?

Que tristeza te ver amar
no sobresalto da minha lente.
Ver minha dor não calar
nas ampulhetas do que se sente.
Seu sorriso no espelho
não cabe na minha mão
Pálido, cinza... vermelho
escorregou...
e caiu no chão
despedaçou o meu desejo,
dilacerou meu coração.

Que tristeza te ver amar!
Minha sede de revolução,
meu sabor anárquico de viver.
Que tristeza ver a cidade
inverossimilmente diluir
na acidez do seu olhar
tão distante, tão remoto.

[silêncio no caminho de casa]

...E eu que quis um dia amor pra sempre,
espero agora
amor pra agora.


Lee Flôres Pires

Nenhum comentário: