quinta-feira, maio 18, 2006

E de repente o seu olhar

Quem não se arrepiaria
diante do olho do furacão?
Quem que como os pés descalços
sobre essa areia fina
com os olhos fechados
os braços abertos
ao som do mar
sob o olhar da lua
não se sentiria livre?

-(silêncio!)

(e eu, menos poeta
sento à beira do abismo
flertando como nietzsche
os belos olhos da bela
que ficaram na outra esquina).


Lee Flôres Pires