quarta-feira, fevereiro 28, 2007

A Casa que Devora

a Gabi Ivo

Fingir ter sentido
reviver memórias.
Criar histórias.
Guardar palavras,
calar amores.
Inventar vitórias.

Imaginar músicas sem fim
matar o instante
viver uma vida estanque
de preferência não rimar.
Catalogar as ruas da cidade
o pavor de ir lá fora
a casa que devora
de preferência não ficar.

O clichê de sempre.

A mentira sem importância.

(é verdade a mentira que sai da boca de quem só diz mentiras)

Sem a coragem que a distância dá
no mesmo tempo
no mesmo lugar
nada é tão fácil.


Lee Flôres Pires