terça-feira, junho 17, 2008

Tempo

Tempo
de amar os passos lentos,
de caminhar de mãos dadas.

Tempo
de guerrear a desordem,
de desordenar a guerra.

Tempo...
tempo de saudade.
De perda de tempo.

Eu preso no tempo,
perdido entre tua boca
e a falta de tempo.

Tempo
de pedir tempo,
de mensurar as horas...

... e isto são horas meu caro?
O tempo passou,
já comeram meu verso,
já pintaram o sete,
e o relógio quebrou.

Lee Flôres Pires

Nenhum comentário: