sexta-feira, outubro 17, 2008

Porto

Diante das nuvens
do 13º andar
a boca no beijo
a mão no seio
a água no rio.

Cabelo no vinil,
abelha no mel,
cobra no rastro...

e as águas passaram...
sempre passarão...

Magia no rio,
pedra sobre águas
mulher...
macro gosto
água no rosto
bela melodia.

E agora batom?
menina sem rosto
lágrima no gosto
gestos morais.

Não, não cabe na mão!
Escorre entre os dedos,
libído ligeiro,
afeto carnal.

Ela não passou,
ficou no grosso
da malha fina.
Cabelo e aspirina,
modelo e o pé.

E as pessoas passaram...
sempre passarão...
Forte sabor...
te amo corte!
Ferida sempre aberta.
Meu peito,
meu pulsar,
minha ilha deserta,
relevo discreto.

Meu peito,
meu pulsar...
coração!
Geografia celeste

Nenhum comentário: