segunda-feira, junho 28, 2010

Maré

Amou-se o passo
descompasso
caído sobre os braços
da falta de ritmo.

E a voz que se faz dissonante
ressoa como cabelo
na boca dela -
sorriso último,
antes de transpirar.

Saudade era por pouco
morta dentro do peito
repartindo o amor

Solto o toque na esquina
moça bonita que quer se afogar
sacada em frente a solidão
e mar -
ressaca das ondas
soando bem aos ouvidos.

Sem ela
que a maré levou.


Lee Flôres Pires

Nenhum comentário: