sábado, agosto 21, 2010

Ritmo de banzo

a Yara Fernandes


Sem poesia
o corpo dança
desnutrido
um banzo silencioso.

(... quem dera fosse o silêncio
a sátira do ritmo!)

Sem prosa
o corpo ainda dança
insiste
triste
entrar
no verso,
sáliva
e sorriso -
síntese
de dentes
e aliteração.

Sem palavras
o corpo
despido de sons
retém a sílaba
cancela o beijo
no copo -
solilóquio
deleite
e dilúvio
no penúltimo
poema.


Lee Flôres Pires

3 comentários:

RR disse...

teus diálogos em versos encanta.
o canto poético da yara é lindo, e este sopro aqui também é muito bom de se ouvir...

Ari Denisson disse...

Bacana.
Conciso.
Coeso.
É isso.

Yara disse...

Você tem que ser o melhor né hehehehehe
Lindo mesmo isso.
:D