domingo, outubro 16, 2011

Caminho do Sol

O que devo pensar de tuas mãos
dentro do bolso do casaco?
Desta delicadeza escondida
sob mangas e olhos cerrados?

E ela continuava o caminho do sol
seguindo o tráfego cheio de certezas.
E eu, em plena Consolação,
descobria as impossibilidades
de um céu nublado
estampadas na manchete da revista,
na apatia do jornaleiro contando trocados.

Nossos caminhos,
cortando o meio dia
com uma flor cinza,
ruídos e névoas,
se desviaram sob o silêncio plausível dos velhos. 

Lee Flôres Pires

Um comentário:

Monique disse...

Pra te deixar feliz, vou dizer que gostei, kkkkk.

Brincadeiras a parte, mesmo que a literatura seja biográfica ou plágio (vc me disse isso uma vez), vc sabe escreve-los bem.