sexta-feira, novembro 09, 2012

Eutanásia

Encontrei o amor
na gaveta mofado
entre traças e fotos.

Pra que serve o amor?
Souvenir raro?
Bibelô de armário?

Pra que serve o amor
esquecido na gaveta?

Melhor rasgar as fotos
matar o amor
do que mantê-lo vivo
respirando por aparelhos.


Lee Flôres Pires - Domingo, 18 de novembro de 2007

(poema extraído de um blog antigo - No fundo do Prato)

sábado, novembro 03, 2012

Coração de tinta

Com a importância das coisas inúteis
me ensinaram que não há amor no vento.
Indisciplinado,
pintei no ar nossos corpos
com a arrogância juvenil de um catavento.

Estava pronta a minha obra-prima:
Tinta púrpura sobre a tela
e sobre a cama apaixonada.

Estava pronto o nosso amor,
alegre como a pétala em silêncio
plumava desafiando a tempestade.

Mas a impiedosa utilidade dos rumos,
do movimento das mares,
desmanchou os nossos corações de tinta,
rasgou as fotos pela sala.

Fez-se nada os falsos moinhos de ventos que não inventei.
Fez-se tudo a singela lição anti-romântica que não aprendi.

Que só aprendi com o nosso quarto inundado de distância
e a nossa vida devastada de verdade.


Lee Flôres Pires