quinta-feira, agosto 29, 2013

Concha

À Amélia Pais

Para o fio do caminho,
a meada contornada
no limiar do dia,
atrás da luz que se esvai
em seus sonhos alados,
seus olhos calados,
guardados no teu peito
fundo, dentro do mar.

Lee Flôres Pires

Cedo

Desculpo 
teus braços, 
Guernica 
e Picasso. 

Esculpo 
teu corpo cedo, 
dedos e culpa. 

Cedo ao barro moldado 
em teus contornos, 
desabafos desenhados 
na minha cama, 
e no amanhecer de tua pele.

Lee Flôres Pires

Ampulheta

Sempre vejo a mesma flor,
alegre, reinventando o amor,
uns em azul, outros em violeta.

De/lírios, noite, lilás,
aroma, licor e cais,
de bailarina
e baionetas
sem fim.

Lee Flôres Pires